Diário Angolano

Voltar Está em... Início Política Contestação Apelo à manifestação gera morte em Luanda

Apelo à manifestação gera morte em Luanda

ng1426920 435x210Wilberte Ganga, militante da CASA-CE, foi morto a tiro na madrugada deste sábado, 23, supostamente por elementos da Unidade da Segurança Presidencial (USP).

A notícia foi confirmada ao SOL pelo secretário provincial adjunto da coligação em Luanda, Alexandre Dia dos Santos ‘Libertador’. A vítima foi surpreendida na madrugada a colar panfletos da CASA-CE de repúdio pelo suposto assassínio de Alves Kamolingue e Isaías Cassule - numa altura em que uma manifestação da UNITA no mesmo sentido, igualmente marcada para este sábado, fora proibida pelo Ministério do Interior.

Na sequência da morte de Wilberte, foram detidos Abel Chivukuvuku, presidente da CASA-CE, entretanto já solto, e vários outros membros da coligação, com destaque para Leonel Gomes, deputado à Assembleia Nacional, que ainda estão detidos na 9ª esquadra policial do Sambizanga, de acordo com a mesma fonte.

Contactado pelo SOL, via telefone, Leonel Gomes confirmou a sua detenção: “Neste momento, contando com jovens e dirigentes da coligação, estamos detidos 67 elementos, 21 dos quais estão na esquadra do Sambizanga”, afirmou. E garantiu que Ckivukuvuku esteve detido, ao contrário das informações veiculadas pela Polícia. “Confirmo que o presidente esteve detido”, garantiu.

Samakuva apela à desistência

Informado dos tumultos no local da manifestação, com forte aparato policial e o lançamento de gás lacrimogénio, vendo-se helicópteros a descer tão baixo que levantavam a poeira do chão, para dispersar os manifestantes, o presidente da UNITA, Isaías Samakuva, apelou à desmobilização, dizendo: “Com o MPLA não se negoceia; regressem às vossas casas, mas não andem sozinhos, andem acompanhados”.

A manifestação visava repudiar as supostas mortes de Alves Kamolingue e Isaías Cassule, activistas raptados a 27 de Maio do ano passado, na sequência de uma manifestação de antigos combatentes e veteranos da pátria.

Com início marcado para às 9 horas, na zona do cemitério da Santa Ana, junto à estrada de Catete e o Comando Provincial de Luanda, tinha como destino o largo da Mutamba, na baixa de Luanda, com término marcado para as 16h00. Depois de desmobilizar, ainda se ouviam grupos dispersos gritando palavras de ordem como: “Abaixo a ditadura!, “32 é muito!” ou “Queremos os ossos do Alves Kamolingue e Isaías Cassule!”.

Entretanto, exceptuando o local da manifestação, a vida em Luanda prosseguia tranquila, como em qualquer outro sábado desta época do ano. No Mussulo ou em Cabo Ledo as pessoas gozavam o sol e o mar.

 

Sol, 23 de novembro de 2013

Voltar
Por favor faça login para comentar
  • Nenhum comentário encontrado